LED é a mais econômica das lâmpadas

Compara çao entre lâmpadas - Clique para aumentar a imagem.

Comparaçao entre lâmpadas – Clique para aumentar a imagem.

Em tempos de energia elétrica cara, o LED pode ser a melhor alternativa para economizar na hora de iluminar a casa. Isso porque, além de ser a mais moderna tecnologia em iluminação, a lâmpada de LED é também a mais econômica de todas as existentes atualmente no mundo. “Até alguns meses atrás, quem instalava uma lâmpada de LED em casa ou escritório era considerado chique e ganhava o status de estar na vanguarda dos acontecimentos”, afirma Gilberto Grosso, CEO da Avant, fabricante brasileira há 20 anos atuando em iluminação.

“O mercado brasileiro estava muito atrás da Europa, EUA e Ásia, já que até o começo deste ano o LED engatinhava. No entanto, de uma hora para outra, o produto alçou voo e passou a ser a vedete de todas as lâmpadas, sendo um dos produtos mais desejados e cobiçados por consumidores e profissionais da iluminação. Com isso, o mercado avançou rapidamente e já se estima que até o final de 2016 cerca de 50 milhões de lâmpadas instaladas terão essa nova tecnologia, que é a mais eficiente na economia de energia elétrica”, explica Grosso.

Segundo o executivo da Avant, alguns comparativos mostram que o LED veio para ficar. “Uma lâmpada de LED Pera de 9W substitui uma incandescente de 60W, portanto, reduz em 85% o consumo de energia. Por outro lado, uma casa que substitua dez lâmpadas incandescentes por outras dez LED Pera verá seu gasto com energia elétrica cair de cerca de R$ 66,96 para apenas R$ 10,04. Essa diferença mensal de R$ 56,92 cobre folgadamente os custos do LED, que hoje ainda é superior ao preço de uma incandescente”.

Para facilitar a escolha do consumidor, a Avant montou um quadro com a equivalência comparativa entre as três principais lâmpadas conhecidas e mais usadas hoje em dia: incandescente, compacta fluorescente e LED Pera. Para substituir as lâmpadas tradicionais sem perder luminosidade no ambiente, e ainda economizar, basta consultar na tabela os lúmens de cada produto.

(FONTE: O Bonde) Via LedHouse Brasil

Análise da Geladeira por Célio Cordeiro Bange

O artigo sobre a instalação de termostatos digitais em geladeiras mais antigas fez muito sucesso!

Um leitor, o Célio Cordeito Bange escreveu um artigo onde analisa o comportamento da geladeira onde ele próprio instalou um sistema semelhante. Abaixo está publicado o artigo:

Olá pessoal,

Ainda não concluí minha instalação do N321 no freezer, pois o sensor tipo T (o meu N321 veio sem sensor e ele foi construído para termopar tipo J ou K ou T), que encomendei mas veio com defeito e está em processo de troca.

Mas vamos discursar um pouco sobre o tema, iniciando pela análise de minha geladeira (Continental Elegance, do século passado), para a qual comprei um TIC-17RGTi (com sensor de thermistor PTC), para também substituir seu termostato mecânico e assim poder controlar melhor esta unidade.

Ela a princípio funciona bem e para me subsidiar com dados para configurar o TIC, verifiquei o seu ciclo de funcionamento e temperatura, obtendo os seguintes dados:

Temperatura de trabalho: -10°C a -5°C (com sensor afastado do evaporador)

Ciclo de trabalho com temperatura ambiente de 25°C, sem aberturas de porta: 9min ligada e 27min desligada.

A geladeira se encontra relativamente vazia, congelador cheio e com +- 0,5cm de formação de gelo ao redor do evaporador.

Não sei se tais dados estão bons ou podem melhorar com o degelo, que certamente interfere na performance, piorando quanto maior for a capa de gelo ao redor do evaporador.

Quanto a faixa de temperatura eu acho excelente, pois está dentro do propósito de conservação, principalmente de carnes por 4 a 6 meses…quanto ao ciclo eu creio que a razão 1:3 esteja compatível para uma temperatura ambiente de 25°C, que certamente será afetado na época do verão ou em dias mais quentes.

O gráfico a seguir representa o levantamento feito, onde a área 1 (vermelha) é o tempo e a temperatura com compressor ligado e a área 3 (verde), o tempo e temperatura com ele desligado.

COB

Eu chamo a área 1 de gasto de energia para resfriar e a área 3 de conservação do frio.

Uma melhor eficiência na área 1, é uma função:

  • da potência do compressor
  • do tipo e volume do gás
  • da temperatura externa
  • da ventilação do condensador (serpentina externa)
  • do controle da temperatura x acionamento do compressor
  • do acúmulo de gelo
  • da vedação (da porta ou passagens de tubulação de gás, fios, etc…)
  • das aberturas de porta
  • da temperatura de produtos recém postos na geladeira

Uma melhor eficiência na área 3, é uma função:

  • da temperatura externa
  • do acúmulo de gelo
  • da vedação (da porta ou passagens de tubulação de gás, fios, etc…)
  • das aberturas de porta
  • da temperatura de produtos recém postos na geladeira

Vejam que com exceção do compressor, do gás e da temperatura externa, em todo o restante pode-se atuar para melhorar a eficiência de modo a diminuir a área 1 e/ou aumentar a área 3, dentro da temperatura desejada e com isto economizar energia ou dinheiro.

Controlar a temperatura significa precisão em conhecê-la para comandar o acionamento do motor, mas o que é temperatura?

Temperatura é uma forma prática de se medir a energia térmica/cinética de um corpo ou meio, e está associada ao ZERO absoluto (0 Kelvin ou -273,15°C), onde em tese tanto a energia térmica quanto a cinética são nulas…qualquer valor acima do ZERO absoluto é chamado academicamente de “calor” por conter energia cinética, mesmo ainda sendo negativo na escala Celcius…mas isso além de complicado não é prático no nosso caso…então…

Temperatura é uma grandeza pontual, ou seja, ela só existe com aquele valor, naquele ponto da medida coletada pelo sensor, salvo se dois ou mais pontos já estiverem equalizados dentro de um mesmo sistema, o que é quase impossível de ocorrer na prática, considerando-se os décimos, milésimos ou milionésimos de °C. Mesmo dentro de um congelador, a temperatura lida na superfície do evaporador é inferior a temperatura do ar próximo ao mesmo e isto deve-se ao fato da troca de calor, no caso, ocorrer por condução ou contato entre o ar e a placa do evaporador.

Esta análise esclarece a razão pela qual o acúmulo de gelo na superfície do evaporador prejudica a performance de uma geladeira ou freezer, pois o gelo em excesso acaba atuando como um isolante entre a placa e o ar do interior da unidade. O mesmo ocorre quando um Esquimó faz um “iglu”, ou casa de gelo, para se proteger do frio mais intenso do lado de fora.

Também ajuda a compreender a importância de uma boa vedação entre o interior e o exterior da geladeira/freezer, pois se o ar exterior (mais quente), invadir o interior (mais frio), devido a tendência de não só equalizar as densidades como também a de equalizar as temperaturas para um valor médio acima do que desejamos para o interior da unidade.

Fica óbvio então que abrir a porta significa desperdiçar a energia gasta para baixar a temperatura…claro que de nada adiantaria ter uma geladeira sem abrir sua porta no dia-a-dia para por ou retirar algo, então quanto menos se abrir ou quanto menor tempo de abertura de porta, mais eficiente será a geladeira/freezer.

Colocar produtos no interior da unidade com temperatura superior a esta, representa mais energia que será gasta para equalizar o interior…pior quando alimentos ainda quentes são postos.

Então eu acrescento ao uso de um controlador (N321, TIC-17RGEi, ou quaisquer outros assemelhados), analisar, resolver ou melhorar os itens em vermelho, para se ter uma melhor performance, com o menor gasto de energia elétrica possível.

Bração,

Bange

2013 em Revista

A turma de estatísticas do WordPress.com preparou um relatório do ano de 2013 para este blog.

Aqui está um resumo:

A sala de concertos da Casa de Ópera de Sydney comporta 2.700 pessoas. Este blog foi visto cerca de 8.300 vezes em 2013. Se fosse um concerto na Casa de Ópera de Sydney, teria de ter 3 apresentações com a casa lotada para comportar esta quantidade de pessoas.

Clique aqui para ver o relatório completo.

Controlador de temperatura para aquecedores de ambiente

Conforme prometi no último artigo, montei um controlador de temperatura para aquecedores de ambiente com lâmpadas halógenas. Utilizei o termostato de baixíssimo custo daquele artigo.

Termostato XH-W1207

Primeiro, comprei duas caixas Patola PB108/2 TE e, de cara, constatei que seria preciso fazer algumas alterações no termostato para que ele ficasse mais “confortável” dentro da caixa.

Em primeiro lugar, observando-se o termostato de perfil, verifica-se que a altura do display é menor do que várias peças na placa, como capacitores e o próprio relé. Com um ferro de solda e um sugador, retirei cuidadosamente o display e coloque no seu lugar, terminais torneados como os da figura abaixo. Continuar lendo

Reduzindo o custo do termostato da geladeira

Termostato XH-W1207Meu primeiro artigo neste blog foi Hackeando a geladeira. Muitas pessoas consideravam caro o termostato da Novus que utilizei na minha geladeira… Eu também. Por isso comecei a buscar alternativas para o termostato, inclusive utilizando microcontroladores como o mostrado no artigo Programando o Bootloader do Arduino no ATMega8. Recentemente encontrei um termostato de baixíssimo custo, mais barato até que os mecânicos encontrados no mercado de varejo. Trata-se do Termostato digital XH-W1207, de uma empresa chinesa de nome impronunciável.

Continuar lendo

Programando o Bootloader do Arduino no ATMega8

Recentemente, comecei a aprender a mexer com o Arduino, uma plataforma de hardware aberto, muito fácil de programar e implementar montagens de circuitos eletrônicos.

As ideias para construir uma série de pequenos circuitos que pudessem facilitar a minha vida e economizar energia em casa começaram a pipocar, mas uma coisa que me incomodava era que o Arduino, aqui no Brasil, ainda é muito caro.

Procurei em sites chineses de varejo, como o Deal Extreme e o Mini in the Box e encontrei preços bem menores, mas ainda me incomodavam duas coisas: depender da placa do Arduino, que me limita a mecânica das montagens, e esperar até 60 dias para uma encomenda vindo da China chegar.

Procurei, então, saber o preço do microcontrolador ATMega328 no varejo. Quase tive um infarto: O preço dele era maior do que um Arduino inteiro vindo da China.

Mais um pouco de pesquisa e encontrei o ATMega8 por cerca de R$13,00, um pacote com 3. Ou seja, com metade do preço de um Arduino chinês, eu conseguiria comprar três microcontroladores. Encomendei dois pacote (6 peças). Continuar lendo